A residência em endocrinologia infantil

A residência em Endocrinologia Infantil consiste em uma especialização focada na assistência médica, ensino e produção científica com duração de 2 anos que incorpora o atendimento nas áreas de crescimento e desenvolvimento; diabetes mellitus e outras doenças pancreáticas; obesidade; doenças congênitas e adquiridas da tireoide, adrenais e hipofisárias; bem como o rastreio e acompanhamento de complicações endócrinas dos pacientes oncológicos fora de tratamento.

O programa de residência em Endocrinologia Infantil está credenciado ao Ministério da Educação e pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), oferecendo 1 vaga de residência médica e 1 vaga de estágio.

Como pré-requisito, o interessado deve ter concluído pelo menos 2 anos de residência em pediatria geral e ser aprovado num concurso de seleção desenvolvido pelo próprio Departamento de Pediatria, para os candidatos interessados, constando de prova, entrevista e análise de currículo.

O processo de aprendizado envolve atividades práticas no ambulatório, enfermaria e orientação para produção científica, além de discussões dos casos em grupo, apresentação em reuniões, aulas discursivas, seminários e análise de artigos científicos.

Primeiro ano (R1)

O primeiro ano do programa é predominantemente clínico. O residente frequenta de atividades ambulatoriais em 4 dias da semana, atendendo nos ambulatórios de triagem de pacientes encaminhados dos municípios da DRS-VI, ambulatório de hipotireoidismo congênito e tireoidopatias adquiridas, distúrbios do crescimento e desenvolvimento puberal, ambulatório de diabetes e de síndrome metabólica infantil ao lado de estudantes de medicina (alunos do 5º ano), residentes de pediatria e aprimorandos do serviço de nutrição. Além disso, 1 vez por semana, o residente auxilia no atendimento hospitalar nos serviços de pronto-socorro pediátrico ou na enfermaria da pediatria, fornecendo orientação para o residente de pediatria de plantão.

Na segunda metade do primeiro ano, o R1 deve buscar um tema de seu interesse para realização de projeto de pesquisa e iniciar o processo de redação do mesmo para envio ao Comitê de Etica e Pesquisa da Faculdade de Medicina de Botucatu até o final do primeiro ano

Segundo ano (R2)

No segundo ano, o R2 mantém os mesmo deveres clínicos que o R1, tendo mais autonomia na condução dos casos e podendo discutir e orientar as condutas dos casos atendidos pelo R1.

Está prevista a realização de estágio optativo com duração de 30 dias em serviço externo à Unesp, não sendo este obrigatório.

Em 1 ou 2 finais de semana do mês, um dos residentes estará de cobertura à distância, sendo responsável por avaliar os pacientes internados e ser informado sobre pacientes recém-admitidos.

Residente atuais

  • Fernanda Rossi (Mar/2018-Fev/2020)
  • Natalia Tonon Domingues (Mar/2019-Fev/2021) – Currículo Lattes

Todo o material didático da disciplina está disponível para download na área de Material de Apoio.

Voltar para a página anterior